domingo, maio 24, 2015

A Obra de Manuel de Oliveira


aa.vv.
capa de Manuel Falcato

Estremoz, 1955
Cine-Clube de Estremoz
1.ª edição
22,8 cm x 16,8 cm
52 págs.
ilustrado
impressão a mimeógrafo
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Colaboram nesta pequena monografia António Tiago Acabado, Domingos Mascarenhas, Fernando Duarte, J. Francisco Aranda, José-Augusto França, José Ernesto de Sousa, Luis-Francisco Rebelo, Roberto Nobre e Vitoriano Rosa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Primitivos do Cinema Português


FERNANDO DUARTE

Lisboa, 1960
Cinecultura
1.ª edição
17,3 cm x 11,2 cm
56 págs. + 4 págs. em extra-texto
ilustrado
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos de posse de Avelino Dias
valorizado pela dedicatória manuscrita do Autor a Avelino Dias
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Panorama do Cinema Português


LUÍS DE PINA
capa e arranjo gráfico de Tossan

Lisboa, 1978
Terra Livre
1.ª edição
20,7 cm x 14,6 cm
168 págs.
subtítulo: Das Origens à Actualidade
profusamente ilustrado
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se de uma história da produção cinematográfica nacional para iniciados, da autoria daquele que chegou a ser director da Cinemateca Portuguesa. Interessantes, para trabalho, são as detalhadas fichas de filmes e realizadores.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Prontuário do Cinema Português 1896-1989



JOSÉ DE MATOS-CRUZ
pesquisa com António J. Ferreira e Luís de Pina
grafismo de Judite Cília

Lisboa, 1989
Edição da Cinemateca Portuguesa
1.ª edição
26 cm x 21,7 cm
304 págs.
impresso sobre três distintos papéis avergoados
encadernação editorial em tela com sobrecapa
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

É um dos mais importantes trabalhos realizados no sentido de inventariar o acervo cinematográfico nacional conhecido.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

As Maravilhas do Cinema


GEORGES SADOUL
trad. Salette Tavares
capa de Carlos Rafael

Lisboa, 1959
Publicações Europa-América
1.ª edição
18,5 cm x 12,8 cm
296 págs. + 16 págs. em extra-texto
ilustrado no corpo do texto e em separado
exemplar estimado; miolo limpo
valorizado pela dedicatória manuscrita do poeta Fausto José
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se de um dos livros de referência para amadores interessados e estudantes da cadeira de cinema. Aqui se faz um pouco da história da sua técnica, com exemplos práticos, assim como não foram esquecidos os nomes daqueles que o firmaram como Sétima Arte.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

“Fantasia” e o Cinema


ARMANDO ARAGÃO
capa de Rafael Abrantes

Lisboa, 1957
Editorial Organizações (ed. Autor ?)
1.ª edição
20,7 cm x 14,5 cm
2 págs. + 40 págs. + 8 págs. em extra-texto
ilustrado no corpo do texto e em separado
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos da Sociedade de Língua Portuguesa
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Ensaio extremamente técnico acerca das relações entre os sons e as cores, a fim de demonstrar um dos aspectos que faz do filme Fantasia de Walt Disney a obra-prima que patenteia uma feliz simbiose da música clássica com motivos de cinema de animação.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Cinema Entre Nós


LAURO ANTÓNIO

Lisboa, 1970
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
18,3 cm x 11,2 cm
272 págs. + 6 págs. em extra-texto
exemplar estimado, sem sinais de quebra na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Resume este livro o que foi a temporada de exibição comercial cinematográfica no país durante o ano de 1968, que o crítico Lauro António põe pelas ruas da amargura:
«[...] Continuamos sem ver o cinema que se faz por esse mundo fora. Bellochio, Godard, Forman, Saura, Rivette, Straub, Pasolini, Bertolluci, Ruy Guerra, Glauber Rocha e outros (que são homens que nestes anos de fim de década de 60 inventam o cinema do futuro), esses não os vimos ainda. O que por aqui passou, as mais das vezes amputado, nada mais foi do que (com algumas excepções honrosas) produtos melhor ou pior acabados de um cinema comercial ou comercializável. E, no entanto, entraram no nosso país 341 novos filmes [...].»
E apesar do triste panorama, tiveram os portugueses a oportunidade de ver uns bocados – o que sobrou após os cortes da censura – de pepitas incontornáveis, como seja Blow Up de Antonioni, 2001: Odisseia no Espaço de Kubrick, Laços Eternos de Delvaux, Play Time de Tati, e, entre as reposições, Anatomia de um Crime de Preminger, Johnny Guitar de Nicholas Ray e Esplendor na Relva de Kazan.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Censura e Cinema


JOSEPH LOSEY
MARCEL MARTIN
GUIDO ARISTARCO
NEVILLE HUNNINGS
CARLOS ARAÚJO
et alli
trad. António Damião, António Landeira, António Pescada, Carlos Araújo, Garcia de Abreu, Luísa Fialho e Manuel Machado da Luz

Lisboa, 1969
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
18,3 cm x 11,1 cm
228 págs. + 6 págs. em extra-texto
exemplar estimado, sem sinais de quebra na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Apesar de «As opiniões expressas neste caderno não [serem] necessàriamente as da Editora» (nota editorial na ficha técnica), o que sobressai pode resumir-se nas seguintes palavras de Joseph Rovan:
«A censura é sempre uma homenagem prestada pelos que receiam o movimento e a investigação aos que têm como regra de vida a inquietude e a aventura.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sábado, maio 23, 2015

Promptuario Analytico dos Carros Nobres da Casa Real Portuguesa e das Carruagens de Gala


J. M. [JOAQUIM MARIA] PEREIRA BOTTO, monsenhor cónego

Lisboa, 1909
Imprensa Nacional
1.ª edição
tomo I [único publicado]
28,6 cm x 18,5 cm
334 págs. + 41 folhas em extra-texto, uma das quais desdobrável
ilustrado no corpo do texto e em separado
texto impresso a negro, vinhetas e capitulares impressas a sépia
exemplar estimado, restauro na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do inventário do acervo do Museu dos Coches. Cada peça está documentada com a respectiva imagem e descrição histórica, técnica, estética, etc.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


terça-feira, maio 19, 2015

Discurso recitado pelo Conde de Samodães



[FRANCISCO DE AZEREDO TEIXEIRA DE AGUILAR]

Porto, 1885
Sociedade Nacional Camoneana / Typographia de Antonio José da Silva Teixeira (Cancela Velha)
1.ª edição
22,3cm x 14,4 cm
24 págs.
subtítulo: Na sessão de 10 de Junho de 1885 – No 305.º anniversario do passamento de Luiz de Camões
exemplar com a capa envelhecida e com restauro mas aceitável; miolo limpo
valorizado pela dedicatória manuscrita de António de S. Payo a Alberto Osório de Castro
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do segundo conde de Samodães, intelectual influente na cidade do Porto.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Humilhados e Ofendidos


ANDRÉ CHARPAK
(peça extraída do romance de Dostoïevsky)
trad. Manuel de Lima

Lisboa, 1962
Teatro Moderno de Lisboa (Sociedade de Actores)
1.ª edição
18,3 cm x 11,5 cm
2 págs. + 40 págs. + 2 págs.
acabamento com dois pontos em arame
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


segunda-feira, maio 18, 2015

Catálogo das Moedas Indo-Portuguesas do Museu Municipal do Pôrto


DAMIÃO PERES

Porto, 1924
Museu Municipal do Pôrto
1.ª edição
19 cm x 12,3 cm
160 págs.
profusamente ilustrado no corpo do texto
exemplar muito estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Catálogo de inestimável valor para a História, redigido e impresso por altura da aquisição de cerca de quatrocentas espécies, por parte do referido museu, aos herdeiros do general e numismata Martins de Carvalho.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sábado, maio 16, 2015

Eu Sou um Homem Ilustre


ALICE OGANDO
capa de Júlio [de Sousa (1906-1966)]

Lisboa, 1942
Livraria Editora Guimarães & C.ª
1.ª edição
19 cm x 12,6 cm
204 págs.
exemplar manuseado mas aceitável, pequenas falhas de papel na lombada; miolo limpo, sinais de foxing nas primeiras e últimas folhas
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Dicionário Cronológico de Autores Portugueses (vol. IV, Publicações Europa-América, Mem Martins, 1998):
«Mulher do contista e comediógrafo André Brun, Alice Ogando [1900-1981] foi actriz, tradutora e prolixa escritora dos mais diversos géneros literários. Utilizou, entre inúmeros pseudónimos, os de A. H. de Almeida, Marge Grey, Henry Marcel, Jane O’Brien, mas o que a tornaria mais famosa seria o de Mary Love, sob o qual publicou dezenas de romances e novelas “cor-de-rosa”, ao gosto do sentimentalismo popular da época. Foi ainda autora de textos radiofónicos no mesmo tom (Rádio Drama, na ex-Emissora Nacional) e dedicou-se também ao teatro declamado. [...] Traduziu obras de Stephan Zweig, entre outras. [...]» É de acrescentar que só talvez razões comerciais terão ditado o recurso à pseudonimia, pois a sua obra autógrafa não difere muito, estilisticamente, de tudo o mais que escreveu.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Ha-de Dizer Mamã


ALICE OGANDO

Porto, s.d. [circa, 1937]
Livraria Civilização – Editora
1.ª edição
19,3 cm x 13 cm
40 págs.
miolo impresso sobre papel superior algodoado
capa a duas cores sobre papel de fantasia canelado, tem colado um cromo a sépia
exemplar em bom estado de conservação; miolo no geral limpo, com ocasionais picos de oxidação devido à porosidade absorvente do papel
assinaturas de posse nas págs. 1 e 3
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Breve peça teatral representada no Porto, em Janeiro de 1937, no Teatro São João. Não passa de um monólogo caseiro, encenando os estéreis dramas sentimentais da vida doméstica de uma mãe burguesa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Prima Tança


ALICE OGANDO
capa de Julio [de Sousa (1906-1966)]

Porto, 1936
Livraria Civilização, Editora
1.ª edição
18,6 cm x 12 cm
capa impressa a uma cor sobre cartolina marfim, com sobrecapa polícroma
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Peça teatral escrita para a actriz Ilda Stichini, em que a própria Alice Ogando aparece consignada no elenco.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


domingo, maio 10, 2015

Tempo Africano


MANUEL BARÃO DA CUNHA
capa e ilust. Neves e Sousa

s.l. [Cascais ?], s.d. [1971]
Didáctica Editora
1.ª edição
20,7 cm x 13,7 cm
176 págs.
ilustrado
exemplar estimado, defeito e mancha de humidade na capa; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Memórias de um ex-combatente das forças armadas, «[...] itinerário geográfico e humano, ao longo do tempo e do espaço, de uma geração fortemente marcada pelas vicissitudes dos anos sessenta, no Ultramar Potuguês. [...]» (da nota editorial na contracapa).

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


As Portas Que Abril Abriu


[JOSÉ CARLOS] ARY DOS SANTOS
ilustrações de António Pimentel

Lisboa, 1975
Editorial Comunicação / Discófilo
1.ª edição
[21 cm x 21 cm] + Ø 17,5 cm
32 págs. + 1 extended play (vinil)
ilustrado a cor
impresso sobre papel superior
exemplar estimado; miolo limpo
da tiragem que inclui o disco com a gravação do poema recitado pelo Autor
55,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


As Portas Que Abril Abriu [junto com] A Bandeira Comunista | Reforma Agrária



JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS
Joaquim Pessoa
ilust. António Pimentel (livro)

Lisboa, 1975 e 1976
Editorial Comunicação
TLD – Toma Lá Disco, SCARL
1.ª edição (ambos)
[21 cm x 21 cm] + [17,9 cm x 17,9 cm]
32 págs. + 1 disco EP estereofónico (vinil)
ilustrado a cor (livro)
exemplares muito estimados; miolo limpo (livro), sem defeitos (disco)
lote de colecção
135,00 eur (IVA e portes incluídos)

A gravação discográfica inclui os poemas A Bandeira Comunista e Canção do Emigrante, de Ary dos Santos (1937-1984), e Reforma Agrária e Calendário, de Joaquim Pessoa (nasc. 1948). O poema de Ary alude directamente à destruição e incêndio criminosos do Centro de Trabalho do Partido Comunista Português em Braga durante o dia 11 de Agosto de 1975, levados a cabo por um grupo operacional da extrema-direita.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089



Ary dos Santos [manuscrito inédito]



JOSÉ CARLOS ARY DOS SANTOS

s.l., s.d. [circa 1960]
manuscrito inédito não assinado (caligrafia comprovada)
18,8 cm x 12,2 cm
redigido a tinta de esferográfica na contracapa de um exemplar da 8.ª edição (Julho de 1960) de Fel de José Duro
exemplar em bom estado de conservação
PEÇA ÚNICA DE COLECÇÃO
250,00 eur (IVA e portes incluídos)

Soneto de inaudita repulsa pelo almirante Américo Tomás, não figura em nenhuma das suas obras literárias impressas, e, certamente – dado o conteúdo –, também nunca terá sido publicado em qualquer periódico.
Transcrição diplomática:

Um riso alvar
Um franzir de sobrancelhas
um boné a desabar
que cai sobre as orelhas

[Num gesto sempre igual] [cortado]

olhos no dono postos
ou no chão para ver os pés
Homem triste e sem gostos
e sem o vigor do português

Palhaço fardado d’almirante
marinheiro que nunca andou no mar
Sabujo, lacaio que é capaz

de se curvar e envilecer perante
o seu dono – Salazar
Um só existe: – o Tomaz.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Resumo [livro impresso e variante manuscrita de 1 poema]



J.[OSÉ] C.[ARLOS] ARY DOS SANTOS

Lisboa, 1972
[ed. do Autor] Livraria Quadrante (distribuição)
1.ª edição
18,9 cm x 12,3 cm
80 págs.
capa e orientação gráfica de C.[idália] de Brito [Pressler]
exemplar manuseado, mas muito aceitável

[junto com 1 folha manuscrita, datada e assinada, com a versão primitiva do poema que surge na pág. 15 sob o título «Soneto Presente»]
29,6 cm x 20,9 cm
1 folha A4 apenas escrita de um lado
para além do título e de ser diverso na pontuação, o poema perdeu na versão impressa a confusa dedicatória do manuscrito: «Para o Manuel João [Palma Carlos] – meu Pai, e meu irmão mais novo.»
250,00 eur (IVA e portes incluídos)

O poema alude ao que no ano anterior havia acontecido a Ary dos Santos: a proibição e apreensão de um livro seu.
David Mourão-Ferreira caracterizou um dia a sua obra assim:
«[...] mesmo quando francamente ao serviço de um ideário e de uma praxis cívica que não recusam assumir-se como tais [Ary aderiu ao Partido Comunista Português em 1969], rarissimamente renuncia, no entanto, àqueles pendores da invenção metafórica e da recriação vocabular que constituem outra vertente da modernidade. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Resumo


J.[OSÉ] C.[ARLOS] ARY DOS SANTOS
capa e grafismo de C.[idália] de Brito [Pressler]

Lisboa, 1972
[ed. do Autor] Livraria Quadrante (distribuição)
1.ª edição
18,9 cm x 12,4 cm
80 págs.
exemplar estimado; miolo irrepreensível
45,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Fotos-grafias


J.[OSÉ] C.[ARLOS] ARY DOS SANTOS
NUNO CALVET

capa e grafismo de Cidália de Brito Pressler

Lisboa, 1970
Livraria Quadrante – Eduardo R. Ferreira, Lda.
1.ª edição
23,5 cm x 21,2 cm
56 págs.
profusamente ilustrado com reproduções fotográficas de Nuno Calvet
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Livro proibido e apreendido pelas polícias do Estado Novo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

VIII Sonetos


[JOSÉ CARLOS] ARY DOS SANTOS
pref. Manuel Gusmão
ilust. Rogério Ribeiro

Lisboa, 1984
Edições Avante!
1.ª edição [única]
33,2 cm x 24,2 cm
50 págs.
ilustrado
impresso em off-set sobre papel couché mate, fólios soltos acondicionados em estojo editorial
exemplar muito estimado, com vinco no canto superior direito da aba do estojo; miolo limpo
é o n.º 2.362 de uma tiragem declarada de 3.000 exemplares únicos [«As matrizes usadas na impressão foram destruídas após o acabamento desta edição que não será reeditada»]
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

São os derradeiros versos conhecidos de Ary dos Santos. Segundo a ficha técnica do volume, «Nos últimos meses de 1983, quando já se encontrava gravemente doente, José Carlos Ary dos Santos decidiu trabalhar para a publicação de um livro de 35 sonetos. [...]
[...] apenas oito haviam sido completados à data da morte, em 18 de Janeiro de 1984. [...]»
O editor tentou, pois, reconstituir a ordem por que foram escritos, dando-os a conhecer, também em fac-símile, no estado em que se encontravam.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sexta-feira, maio 08, 2015

Pintura de um Outeiro Nocturno e um Saráo Musical ás Portas de Lisboa no Fim do Seculo Passado


MARQUEZ DE RESENDE

Lisboa, 1868
Typographia da Academia Real das Sciencias
1.ª edição [única]
22 cm x 15,7 cm
48 págs.
subtítulo: Feita e Lida no Primeiro Serão Litterario do Gremio Recreativo em 12 de Dezembro de 1867
em bom estado de conservação, aberto mas por aparar, com a capa de brochura intacta
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do relato satírico daquilo a que, na actualidade, chamaríamos uma “tertúlia literária”, ou um “magusto poético”, género de encontro entre intelectuais e a sociedade culta ainda hoje muito em voga.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O Apóstolo


GERHART HAUPTMANN
trad. Oliva Guerra

Coimbra, 1945
Instituto Alemão da Universidade de Coimbra
1.ª edição
19,8 cm x 13,3 cm
42 págs.
composto manualmente em elzevir e impresso sobre papel superior avergoado
exemplar estimado, capa oxidada; miolo limpo
valorizado pela dedicatória manuscrita do poeta Alexandre O’Neill
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Gerhart Hauptmann (1862-1946), alemão de origem silesiana, a quem foi atribuído o Nobel em 1912, veio a ser abertamente conivente com o regime nazi, nomeadamente no que diz respeito à eugenia e à “limpeza racial”. Já durante a Primeira Guerra Mundial o seu apoio ao belicismo alemão fôra claro e inequívoco.
Oliva Guerra (1898-1982), para além da circunstância da vertente tradução, destacou-se como pianista e professora no Conservatório Nacional de Lisboa, assim como poetisa de época.
O poeta Alexandre O’Neill (1924-1986), por altura da sua dedicatória no ante-rosto deste livro ainda não era surrealista...

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quinta-feira, maio 07, 2015

A Noite e o Riso


NUNO BRAGANÇA
capa de Mendes de Oliveira


Lisboa, 1969
Moraes Editores
1.ª edição
18,8 cm x 12,1 cm
344 págs.
subtítulo: Tríptico
exemplar bem conservado; miolo limpo
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

De seu nome completo Nuno Manuel Maria Caupers de Bragança, até a redução que lhe fez denota o corte com uma sociedade de espartilhos, saias com folhos, polainas e plastrons. E é isso a que a sua escrita literária procede: ao corte com os pergaminhos. Directa, principalmente, livro que prossegue a radicalidade do vertente, sendo o primeiro grande livro publicado após o 25 de Abril, dos que os escritores diziam ter “na gaveta” por causa da censura, verificou-se ser também quase o único. Não existirá ficcionista seu contemporâneo que não tenha ido aí beber, ao seu sarcasmo caricatural e à sua demolição morfológica e sintáctica.
Fez parte do núcleo fundador de O Tempo e o Modo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Do Fim do Mundo


NUNO BRAGANÇA
capa de João Segurado

Lisboa, 1990
Edições «O Jornal» – Publicações Projornal, Lda.
1.ª edição
21 cm x 14,1 cm
88 págs.
exemplar muito estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial na contracapa:
«Mais de cinco anos depois da sua morte prematura, um admirável livro inédito de um dos nossos maiores escritores revelados na segunda metade deste século. Na linha de “A Noite e o Riso”, à escrita deste novo romance de Nuno Bragança [1929-1985] se aplica com inteira justeza o que sobre ela escreveu João de Melo: ‘uma das mais luminosas da literatura portuguesa’.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quarta-feira, maio 06, 2015

Anoiteceu no Bairro


NATÁLIA CORREIA

Lisboa, 1946
Edição da Casa do Livro
1.ª edição
18,6 cm x 13,7 cm
302 págs.
exemplar manuseado mas aceitável, contracapa com sinais de foxing; miolo limpo
ostenta colado no ante-rosto o ex-libris de António Sousa Falcão
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Romance do período anterior ao mergulho lustral da autora açoreana no surrealismo – coisa que só aconteceu nos finais dos anos 50 do século XX –, vive literariamente de um certo realismo com antecedentes no Raul Brandão de Húmus. Num outro plano, pela teia social que liga as suas personagens femininas, pode ser encarado também como um “libelo” feminista.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Poesia de Arte e Realismo Poético


NATÁLIA CORREIA

Lisboa, s.d.
A Antologia em 1958 (ed. Mário Cesariny de Vasconcelos)
1.ª edição
18,7 cm x 13,2 cm
32 págs. + 1 folha em extra-texto
dístico: «Os poetas faz descer ao vil terreno e os líricos subir ao céu sereno»
composto em Bodoni e impresso sobre papel superior
exemplar como novo
PEÇA DE COLECÇÃO
180,00 eur (IVA e portes incluídos)

Uma passagem deste absolutamente notável texto programático:
«[...] Quanto mais a poesia se compraz em ser género literário, mais ela traduz uma adaptação que trai a fuga às responsabilidades da consciência. Só quando afronta corajosamente a existência é que a poesia se justifica plenamente como meio duma transformação da vida. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Encoberto



NATÁLIA CORREIA
capa de Correia de Pinho

Alfragide (Damaia), 1969
Galeria Panorama
1.ª edição
21 cm x 12,8 cm
128 págs.
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos a ensaísta Maria de Fátima Marinho (ver Natália Correia, 10 Anos Depois, Universidade do Porto, 2003):
«Influenciada pelo Surrealismo e, consequentemente, herdeira de uma perspectiva pouco interessada em evocar mitos ou temas do passado, Natália Correia não deixa, contudo, de aliar o pendor subversivo, próprio de toda a vanguarda, ao fascínio irresistível provocado por certas figuras que se tornaram presenças incontornáveis na cultura portuguesa.
[...] em 1969, ao servir-se da figura de D. Sebastião, propõe uma interpretação paródica e caricata de uma das personagens mais caras ao imaginário nacional.
[...] a autora permite-se impor leituras díspares [da consignada na História oficial], cómicas e trágicas, onde o grotesco aglutina definitivamente o sublime.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

As Maçãs de Orestes

NATÁLIA CORREIA
capa de Fernando Felgueiras

Lisboa, 1970
Publicações Dom Quixote
1.ª edição (nesta forma antológica)
18,2 cm x 11 cm
128 págs.
exemplar como novo
carimbo de «oferta do editor» na pág. 3
80,00 eur (IVA e portes incluídos)

Reunião de uma escolha de poemas vindos dos seus livros originais Dimensão Encontrada, Passaporte, Cântico do País Emerso, O Vinho e a Lira e Mátria, assim como três significativos inéditos. Da sua criação literária dizem Virgílio Martinho e Ernesto Sampaio, organizadores da Antologia do Humor Negro (Edições «Afrodite» de Fernando Ribeiro de Melo, Lisboa, 1969):
«[...] Poetisa que entende a poesia como “substância mágica desorbitada da sua funcionalidade primitiva”, como meio de aprofundar o mistério da vida e de recriar o mundo, desmistifica na sua obra as solicitações do espírito tendentes a des-sexualizar um universo inteiramente erotizado, a substituir o objecto e o desejo que o descobre por uma espécie de oração inarticulada às Ausências perfeitas, de fuga à terra ou voo nos espaços abstractos de um absoluto improvável. A poesia de Natália Correia, bem terrena e carnal, caracteriza-se assim por um deslumbramento perante a força prodigiosa do Eros na síntese e conciliação de todos os contrários, na plena humanização da vida. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

A Mosca Iluminada


NATÁLIA CORREIA
capa e grafismo de Cidália de Brito Pressler

Lisboa, s.d. [1972]
Quadrante
1.ª edição
19 cm x 12 cm
88 págs.
exemplar como novo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

«[...] A Mosca Iluminada não se poupa a incursões pelo mundo social, pessoal e íntimo, numa visão demiúrgica dessa maga sibilina e contestatária, fascinada pelo universo onírico do surrealismo, que consagra o seu trajecto existencial ao conhecimento das coisas, da sua circunstância e das palavras que as hão-de nomear. Sendo talvez a obra mais açoriana de Natália, numa época profundamente marcada por um regime conservador que retirava às cidadãs o direito de voto, Natália Correia revelou-se a mulher mais iconoclasta de Lisboa, como era qualificada pelos seus contemporâneos, ousada e intrinsecamente criadora de uma modernidade estética que vai beber à fonte inesgotável do romantismo. Questionando instituições ancestrais, como a família, o casamento, a conjugalidade, a política, e pondo em causa conceitos adulterados pela hipocrisia (a felicidade, a alegria, a entreajuda), grita contra a guerra colonial, “masculina preferência da morte que a inteligência das minhas mamas ofende”. É neste contexto que a sua escrita se afirma desassombrada e galvanizante, conjugando imaginação, memória e amor para construir os alicerces de uma poesia que se suporta no fulgor de uma vida assumidamente autêntica na sua complexidade. [...]» (Leocádia Regalo, in Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo / BPARAH, n.º 3, Julho de 2013)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Antologia da Poesia do Período Barroco


NATÁLIA CORREIA, selec., introd. e notas
[capa de José Escada]

Lisboa, 1982
Moraes Editores
1.ª edição
20,1 cm x 15,4 cm
344 págs.
da prestigiada colecção Círculo de Poesia
exemplar novo
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do lúcido prefácio da organizadora:
«[...] O culto da obscuridade – uma poesia que se oculta para seduzir – concorre para imprimir à poesia de Seiscentos esse carácter minoritário em que alguns críticos vêem o código de uma elite intelectual espanholizada, hostil ao paladar do povo. Uma poesia, portanto, impopular? Sim e não. Impopular na medida em que a retórica cultista sobrecarrega essa poesia de virtuosismos que reduzem a sua comunicabilidade a uma esfera de iniciados. Observe-se contudo, que este círculo mais hermético onde se apertam as malhas do tecido da literatura barroca não é um exclusivo da poesia seiscentista. [...]
Restringir a poesia da época barroca a um ensimesmamento aristocrático releva de uma restrição crítica que valoriza a leitura histórico-literária em detrimento de uma leitura poética, a única que permite autentificar, mesmo no quadro mais hermético da poemática cultista, fulgurações de um entusiasmo e engenho líricos que nos contagia e seduz, amortecendo a nossa prévia resistência a uma fachada aristocrática que, franqueada a entrada, se simplifica e justifica como introdução no mundo de surpresas e revelações que o interior nos reserva. Estranheza semântica? Sem dúvida, mas funcional, ou seja, com função de extrair um sentido de combinações inusitadas, e não “arte pela arte” como sentenciam as avaliações crítico-racionalistas da perceptiva extrapoética.
Quem rasgar os horizontes da poesia barroca, com olhos limpidamente poéticos, colherá momentos de grande poesia, apenas prejudicada por um estilo comum que, à distância, homogeniza a família barroca como acontece com o lirismo galego-português onde a diferenciação se faz pela qualidade. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Epístola aos Iamitas


NATÁLIA CORREIA
capa e grafismo de Fernando Felgueiras

Lisboa, 1976
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
21 cm x 13,6 cm
68 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
assinatura de posse na última página
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


terça-feira, maio 05, 2015

A Casa Sem Chaves


EARL DERR BIGGERS
trad. Anita Martins de Souza (Brasil)
rev. para português por Lima de Freitas
capa de Cândido Costa Pinto

Lisboa, s.d. [circa 1950, seg. BNP]
Edições Livros do Brasil, Lda.
1.ª edição
16 cm x 10,6 cm
282 págs. + VI págs.
exemplar muito estimado, sem qualquer quebra na lombada; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Romance de mistério escrito em 1925 por Earl Derr Biggers (1884-1933), é o primeiro de uma série que ficou conhecida pelo seu detective chinês Charlie Chan, que Hollywood soube captar, tornando-o apreciável até mesmo pelos espectadores de Xangai.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Kyoto


YASUNARI KAWABATA
trad. Virgílio Martinho
capa de Lima de Freitas

Lisboa, 1969
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
19,4 cm x 15 cm
236 págs.
exemplar muito estimado, sem qualquer sinal de quebra na lombada; miolo irrepreensível
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial na contracapa:
«O romance Kyoto, escrito em 1961-62, é uma das obras mais recentes de Yasunari Kawabata [1899-1972], universalmente conhecido desde que obteve o Prémio Nobel da Literatura em 1968.
Considerado a obra-prima de Kawabata, este romance procura mergulhar profundamente no mundo da psicologia feminina. O tema do amor impossível, já tratado noutros romances de Kawabata, aflora novamente nesta obra tão delicada do consagrado autor de Terra de Neve

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


segunda-feira, maio 04, 2015

Terra de Harmonia



CARLOS DE OLIVEIRA

Lisboa, 1950
Centro Bibliográfico
1.ª edição
19,2 cm x 13,6 cm
64 págs.
composto manualmente em Elzevir
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
carimbo de posse no ante-rosto
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

Na sua geração, aquela que se designa por neo-realista, é Carlos de Oliveira o escritor nuclear, tanto na prosa como na poesia. E assim é um escritor exemplar, porque levou o seu instinto de depuramento da escrita a extremos radicais. Se o domínio da arte poética o fez levar a escassez retórica para dentro da prosa (ver Finisterra, já perto do fim da vida), o seu trabalho de revisão constante dos romances inequivocamente contaminou o ofício dos versos, pondo-os a salvo dos perigos naturais da tendência liricista menor na poesia portuguesa. O vertente livro saía dessa lamúria tradicional com alguns exemplos que fizeram escola, inclusivamente ao serem devolvidos ao universo da canção popular donde haviam partido, como seja o poema «Livre» (mais tarde suprimido pelo poeta – talvez cansado de o ouvir na rádio, ou de ouvir, talvez, aquilo que a voz de um intérprete sempre acrescenta aos versos alheios) – aquando da segunda oportunidade de reunir o seu trabalho poético):

«Não há machado que corte
a raiz ao pensamento:
não há morte para o vento,
não há morte.

Se ao morrer o coração
morresse a luz que lhe é querida,
sem razão seria a vida,
sem razão.

Nada apaga a luz que vive
num amor, num pensamento,
porque é livre como o vento,
porque é livre.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Colheita Perdida


CARLOS DE OLIVEIRA

Coimbra, 1948
edição do Autor
1.ª edição
19,4 cm x 13,7 cm
68 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

O poema final do livro, «Legenda para um livro futuro»:

«Aço na forja dos dicionários,
as palavras são feitas de aspereza:
O primeiro vestígio da beleza
é a cólera dos versos necessários.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Mãe Pobre


CARLOS DE OLIVEIRA

Coimbra, 1945
Coimbra Editora, Limitada
1.ª edição
19 cm x 13,5 cm
64 págs.
exemplar estimado, contracapa suja; miolo limpo
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

Apenas um poema de grande actualidade, «O Viandante»:

«Trago notícias da fome
que corre nos campos tristes:
soltou-se a fúria do vento
e tu, miséria, persistes.
Tristes notícias vos dou:
caíram espigas da haste,
foi-se o galope do vento
e tu, miséria, ficaste.
Foi-se a noite, foi-se o dia,
fugiu a côr às estrêlas.
– Nesta negra solidão
só tu, miséria, nos velas!»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

sexta-feira, maio 01, 2015

História Completa da Princesa Magalona


[ANÓNIMO]
capa de [Alfredo] Moraes

Lisboa, 1954
Livraria Barateira, L.da
s.i.
19,8 cm x 13,7 cm
16 págs.
acabamento com um ponto em arame
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

Esclarece-nos Inocêncio Francisco da Silva, no seu Diccionario Bibliographico Portuguez (tomo X, Imprensa Nacional, 1883):
«[...] Esta historia, na opinião de Victor Leclerc, citado pelo sr. dr. Theophilo Braga na sua Historia da poesia popular portugueza, pag. 194, foi primitivamente escripta em provençal ou em latim, no seculo XIV, pelo conego Bernardo de Treviers. Dizem que, aos quatorze annos, Petrarcha lhe retocará o texto. Consultado a este respeito o sr. dr. Theophilo Braga, por se me offerecer duvida emquanto á interpretação que poderia dar-se ao seu escripto, ácerca da idade e dos primeiros trabalhos do egregio poeta italiano, eis o que me respondeu:
“Sobre a passagem da Historia da poesia popular portugueza relativa á nossa folha volante da Magalona, nada tenho a acrescentar, porque não tenho descoberto cousa alguma; apenas aponto as fontes de que me servi. A primeira é a passagem de Victor Leclerc, no Discours sur l’etat des lettres de France au XIV siècle, tomo II, pag. 76; diz este eruditissimo critico, fallando dos estudos de Petrarcha em França: ‘Antes dos quatorze annos, vêmol-o começar o direito em Montpellier. Se acreditarmos, como se pretende, que elle retocára então o texto provençal ou latino das aventuras de Pierre de Provence et de la Belle Maguelone, pelo conego Bernardo de Treviers, teremos já o prazer de reconhecer uma d’essas apropriações que espiritos taes como Petrarcha e Boccacio fizeram d’aquelles aos quaes chamaram barbaros, e que tinham, pelo menos, sabido inventar-lhes os romances e os fabliaux.’
A intelligencia d’este texto, considerando Petrarcha aos quatorze annos retocando a linguagem ou o entrecho da historieta da Magalona, é seguida por Charles Nisard, na Histoire des rimes populaires, tomo II, pag. 412, que escreve: ‘On disait que Pétrarque, à l’âge de quatorze ans, en avais retouché le texte.’ Aos quatorze annos achava-se Petrarcha frequentando os estudos juridicos em Montpellier; então, como escreve Victor Leclerc, refere-se se não rhetoricamente aos quatorze annos do poeta, pelo menos comprehende a epocha da sua permanencia no sul da França, em Montpellier, Carpentrai e Avignon, onde elle teve conhecimento directo das canções provençaes que elle imitou transformando no seu extraordinario lyrismo, e ao mesmo tempo dos poemas que cita nos seus Triumphos.
A redacção litteraria antiga era diversa da nossa moderna: os manuscriptos eram copiados, passando-os á linguagem da epocha da copia [...]. Da Magalona diz tambem Nisard a phrase proverbial dos antigos livros, que foi essa novella a que mais soffreu o processo de ser feita en meilheur langage que précédemment. O melhor texto francez da Magalona é de 1478, sendo a 1.ª edição com data de 1490... Este conto ainda é classico em o gosto popular.”»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Aden-Arábia


PAUL NIZAN
introd. Jean-Paul Sartre
trad. José Borrego

Lisboa, 1967
Editorial Estampa, Lda.
1.ª edição
21,7 cm x 15,5 cm
2 págs. + 208 págs.
capa impressa sobre cartolina martelada
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo limpo, por abrir
discreta assinatura de posse na página de ante-rosto
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

«Eu tinha vinte anos e não permitia a ninguém que dissesse ser essa a mais bela idade da vida.
Tudo ameaça com a ruína um jovem: o amor, as ideias, a perda da família, o ingresso entre os grandes. É muito duro obter a sua parte no mundo.
[...] Mais ou menos por toda a parte, havia gente nos campos e nos subúrbios: mas nós, olhávamo-nos para fazermos como os nossos mestres e os nossos pais, acocorados nos cantos, levantando-se às vezes para fazer rir os patrões, encomendar-lhes ilusões, argumentos ou justificações. Palhaços, cúmplices: ofícios do espírito. De tempos a tempos, pediam que fôssemos pacientes: o mundo iria em breve ser salvo. [...]
Imaginai: eis-nos deixados aos vinte anos num mundo inflexível, munidos de algumas artes de adorno: o grego, a lógica, um extenso vocabulário que nem sequer nos dá a ilusão de ver claro. Estamos perdidos na galeria das máquinas dos nossos pais, em que todos os recantos mal iluminados dissimulam recontros sangrentos, guerras nas colónias, terror branco nos Balkans, assassinatos americanos aplaudidos por todas as mãos francesas: a terrível hipocrisia dos homens do poder não chega para pôr um véu sobre a presença das desgraças que não compreendemos: sabemos somente que existem, que em qualquer lugar há sofrimento. Não nos digam que é para nosso bem. Não se contentem em acusar o destino, em fazer eternamente o gesto de Pilatos. [...]»
Assim abre aquela que é uma das mais pungentes narrativas de identificação geracional. Aquela que ficou como um cântico do mal-estar dos filhos da Segunda Guerra Mundial, maiormente verbalizado.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Voyage Autour de Ma Chambre, suivi du Lépreux de la Cité d’Aoste



[XAVIER DE MAISTRE]

São Petersburgo, 1812 e 1811
Imprimerie de Pluchard et Comp.
[1.ª edição conjunta dos dois livros, sendo 1.ª edição absoluta do segundo livro]
2 livros em 1 volume (ambos publicados sem nome de autor)
15,1 cm x 10,3 cm
194 págs. + 66 págs.
encadernação inteira em pele com nervuras muito pronunciadas e ferros a ouro na lombada, folhas de guarda em papel de fantasia debruadas com filete a ouro; assinada Invicta Livro no bordo inferior do verso da pasta dianteira
pouco aparado
exemplar muito estimado, com discreto restauro nas primeiras folhas
ex-libris do escritor Joaquim Pessoa colado no verso da primeira folha de guarda
peça de colecção
300,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos o prefaciador [Vitor Silva Tavares] da moderna tradução portuguesa (& etc, Lisboa, 2002) ao pô-lo de par com Laurence Sterne:
«[...] Um pouco adiantado ao espírito da época, que em breve seria já decididamente “romântico” até por imperativos “revolucionários”, não é de espantar que Xavier de Maistre e, sobretudo, a sua Viagem à Roda do Meu Quarto viessem a influenciar o nosso Almeida Garrett: visite-se as Viagens na Minha Terra (de 1846, isto é, cinquenta e um anos depois da Viagem do outro) e lá veremos em epígrafe e depois comentada logo no início do primeiro capítulo a obra de De Maistre, entretanto largamente difundida por toda a Europa culta.
Novo e mais amplo salto no tempo: numa linha que parece outra já distante do romantismo enquanto movimento literário e artístico, também José Cardoso Pires vem a estabelecer, n’O Delfim, uma (tornada óbvia) comparação com a viagem do diletante aristocrata: o parto narrativo do romance tem lugar, em boa medida, no quarto de pensão onde se aloja o narrador-escritor, posto este se distancie do “onanismo literário” atribuível àquele – ou àqueles que vieram a glosar em sequelas o modelo narrativo elaborado por De Maistre no seu texto inaugural.
O Leproso, esse, quer pelo “décor” (uma torre semi-arruinada), quer pelo estigma que pesa sobre o protagonista e o marginaliza socialmente, é já um texto marcadamente “romântico”, até pelo excesso. O seu sabor especial acentua, de certo modo, o espírito que já estava enunciado, com outra frescura, na Viagem

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

As Farças...



M.[ANUEL DE] ORTIGÃO BURNAY

Lisboa, Julho de 1928 a Janeiro de 1929
Tip. da Emp. do Anuário Comercial [ed. Autor]
1.ª edição (os fasc. 1 e 8)
2.ª edição (os fasc. 2 a 6-7 e suplemento ao n.º 5)
8 números + 1 suplemento em 8 fascículos (completo)
21 cm x 14 cm
180 págs. (numeração consecutiva)
título integral: «As Farças... os equivocos e as fôrças ocultas são os maiores fautores da desunião nacional
compostos manualmente
acabamento com um ponto em arame
exemplares em bom estado de conservação; miolo limpo
110,00 eur (IVA e portes incluídos)

No seguimento da publicação de uma outra obra do autor – Aspectos... da Crise Portuguesa –, de advertência político-económica aos responsáveis pela ditadura militar nascente, Ortigão-Burnay lança este periódico de cariz mais «humorístico-filosófico». Aqui se põem a ridículo os principais tópicos da governação republicana que acabava de cair derrotada, do mesmo modo que, monarquicamente, surgem cuidadosos sinais de aprovação da política personalista de Salazar.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

As Tábuas do Painel de um Auto


HEITOR GOMES TEIXEIRA

Lisboa, 1977
Universidade Nova de Lisboa
1.ª edição
21 cm x 14,9 cm
272 págs.
subtítulo: António Serrão de Crasto
exemplar em bom estado de conservação
20,00 eur (IVA e portes incluídos)

É o único estudo contemporâneo que se conhece acerca da vida e obra deste poeta e boticário judeu seiscentista (da Academia dos Singulares), vítima do Santo Ofício e deixado morrer na miséria. A frenesi, por seu turno, regista disponível no catálogo a única edição recente do seu jocoso libelo contra os pios carcereiros: Os Ratos da Inquisição, seguido de A Francisco de Mezas (com prefácio de Camilo Castelo Branco, Lisboa, 2004). E é, precisamente, Heitor Gomes Teixeira quem nos deu notícia, no seu ensaio, da existência e da importância desse segundo poema, dedicado por Crasto a troco de uns cobres para ir comendo.
Documentos ambos de importância crucial para o estudo e reconhecimento de uma certa mentalidade religiosa portuguesa hipócrita e persecutória... que ainda hoje perdura.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089